26 janeiro 2010

traço 118

"Você foi, mas ficou no meu peito e nas minhas palavras confusas, deixou em mim uma saudade solitária, tímida e contida. Se hoje vivo é porque sigo indecisamente firme, silencioso e certo na estrada; dirijo trôpego pela direção errada sem medo nenhum de aceitar e reconhecer: como doeu amar você"

5 comentários:

  1. Meu Deus, adorei.. essas palavras certas.

    ResponderExcluir
  2. Cacetada! Ainda bem que eu tava sentado quando li isso... Aliás, esse é o lado maravilhoso da literatura: alguém sempre já escreveu o que você um dia sentiu vontade de dizer, mas não sabia como.

    ResponderExcluir
  3. Fui bisbilhotar os textos do Bernardo e - caramba! - ele escreve muito bem!

    ResponderExcluir
  4. Sim, sim.

    O blog dele foi o primeiro blog, no qual eu me apaixonei e criei coragem para tirar todos os meus textos que ficavam na gaveta.

    ResponderExcluir

rabisque!