09 janeiro 2012

traço 305

Holocaustos não me assombram. Estupros e trabalho escravo infantil não me assombram. Franklin, sei que você pensa o contrário, mas Kevin também não me assombra. Fico assombrada quando deixo cair uma luva na rua e um adolescente corre dois quarteirões para devolvê-la. Fico assombrada quando a moça do caixa me lança um amplo sorriso, junto com o troco, quando a minha fisionomia era apenas uma máscara apressada. Carteiras perdidas enviadas aos respectivos donos pelo correio, estranhos que fornecem indicações precisas de uma rua, vizinhos que regam as plantas uns dos outros — essas coisas me assombram.

- Lionel Shriver

3 comentários:

  1. Olá,
    Tudo bem?
    Acabei de criar um blog e navegando por vários blog encontrei o seu. Gostei muito dos textos, por isso sigo-te. Se puder e quiser visite-me!

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Confesso que quando isso acontece também fico assombrada. É tão raro sorrisos e gentilezas hoje em dia.

    ResponderExcluir
  3. eeeia aí um bom livro!

    Viu o filme? Muito bacana, embora tenha matado a pegada das cartas. Vale a pena, e a Tilda Swinton está mais linda que nunca!



    beeeeijos!

    ResponderExcluir

rabisque!